Boa viagem: malas pesadas?

Conversando com outros brasucas que viajam para o nosso caro Brasil de vez em quando,  chego a conclusão que um tema comum a todos é também um dos mais controvertidos: as encomendas.

As encomendas nada mais são que pedidos que quem viaja do Brasil para o exterior (ou de quem vive no exterior e vai ao Brasil) recebe de amigos, parentes, conhecidos. Essas encomendas, às vezes, são totalmente desnecessárias no sentido prático: “traga alguma coisa de Londres, qualquer coisa” ou “quero um copo do Hard Rock Cafe da cidade aonde voce está, pra minha coleção de copos do Hard Rock Cafe” (e eu pensei que voce já tivesse o suficiente).

Conheci gente a quem foi pedido de “encomenda” dois Ipods (“compra pra mim que te pago depois”). Há quem tenha levado tres computadores camuflados (?) na mala; há quem já tenha levado um carrinho de bebe Gracco, daqueles enormes, tipo 3 em 1. Há as famosas encomendas de perfumes e cremes da Victoria’s Secret: “são os cremes da promoção  leve 6 por 30 dólares. Se der, traga uns doze ou mais, pra eu vender no meu trabalho…aqui custa uma fortuna, vai vender como água”.

Ai ai ai.

Tudo em nome da amizade e da paz.

Mas o pessoal esquece que quem está viajando já tem suas  “encomendas” pessoais pra trazer. E que a Receita Federal limita as compras trazidas por brasileiros a US$500 por pessoa, até hoje. Então não há como trazer 2 Ipods, praticamente estourar a quota e simplesmente  ignorar o resto, né?

Dizer pro fiscal no aeroporto chegando ao Brasil: “Não senhor, eu não comprei nada disso, não, não gastei um centavo além dos quinhentos dólares. O que esta aí a mais foi roubado” não vai colar.

Cada um tem sua estratégia pra lidar com esse assunto. Dos brasucas que conheço por aqui, algumas opiniões:

-“Não levo nada, minha família já sabe disso e pronto. Ou vou eu, ou vão as encomendas. Como as encomendas não chegam lá sem mim, então eu vou.”

-“Eu digo que na hora de sair pras lojas esqueço da lista que eles me mandaram; aí não pude mais voltar nas benditas e não comprei nada, desculpem”.

-“Compro dez porcento do que me pedem, e em geral a versão mais barata já que a chance de eu não receber o dinheiro é sempre muito grande, e eu não quero arrumar briga com o pessoal justo quando vou visitar”.

-“Eu trago tudo que me pedem. Jóia, roupa, perfume, remédio, brinquedo, maquiagem. Minha família e os amigos lá no Brasil sempre pedem muito, mas não me incomodo. Vou ao Brasil de dois em dois anos, e não mando presente pelo correio nas datas festivas durante esse tempo, então é como se eu usasse o dinheiro dos presentes de dois anos de aniversário, natal e dia das criancas de uma vez só, quando eu viajo. É um sufoco na hora de fazer as malas, às vezes pago excesso de peso de bagagem e sempre dá aquele medo na hora de passar na alfândega, mas fora isso nunca tive problemas. Vale  o esforço, faz parte de ir ao Brasil ver minha família, minha terra.”

-“Eu tenho criança pequena, então é mais fácil dar desculpa e dizer que não teve lugar na mala pra trazer tudo que me pedem. Mas meu filho tá crescendo e tô vendo que um dia não vou ter mais essa desculpa”.

-“Adoro ajudar e trazer coisas úteis e que as pessoas realmente gostam, mas tem gente que exagera…por exemplo, um parente meu pediu pra eu trazer um computador e dois Ipods de cores diferentes. Ah, ignorei. Pior é que ninguém diz: estou enviando a grana amanhã mesmo pra voce comprar as minhas encomendas. O povo acha que a gente tem dinheiro sobrando pra comprar as coisas que eles querem, justo quando estamos fazendo uma viagem que é cara por si só. Agora trago só encomendas pra quem é próximo mesmo, meus pais e irmãos e uns poucos amigos, e assim mesmo já avisei que não tenho como trazer nada muito pesado ou caro–eu simplesmente nao tenho condições finaceiras nem forca física pra ficar arrastando malas pesadíssimas pelos aeroportos, e ainda correndo o risco de perder mala com tudo dentro como acontece tanto hoje em dia.”

Eu tento usar o bom senso e equilibrar peso + espaço em mala/necessidade (aqui entre nós,  um vidro de perfume Paloma Picasso não é algo de primeira necessidade, certo?).

E claro, se o vizinho do amigo do meu irmão encomendar um anel de brilhante, nao há como eu atender a tal pedido se eu nem conheço o dito cujo. Como venho avisando há alguns anos da decisão aqui em casa de reduzir a malaria, então (acho) ninguém se supreende muito quando chego ao Brasil sem tudo o que foi pedido. Mas admito que não é fácil–eu de certa forma entendo a frustração de alguns querendo certos produtos super caros no Brasil que acabam não chegando. A verdade é que meus dias de carrinho de compras são parte do passado, agora no máximo sou cestinha de mão e olhe lá. Já me perdoei.

E voces? Como lidam com as “encomendas”?

Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

5 Respostas to “Boa viagem: malas pesadas?”

  1. Maria Cristina Says:

    Moro ha nove anos nos EUA e vou ao Brasil pelo menos uma vez por ano. Nao me ofereco para levar encomendas e ninguem me faz encomendas. Simples nao? Em geral eh culpa de quem viaja pois se oferece para trazer encomendas (culpa de estar viajando?). Durante esses nove anos recebi diversos amigos e parentes na minha casa e sou testemunha do tormento que essas encomendas se tornam na vida de um viajante. Em geral quem faz encomendas nao tem habito de viajar. As pessoas precisam entender que quem viaja esta gastando dinheiro para aproveitar a viagem e qualquer encomenda rouba os momentos do viajante. Acho chiquerrimo quando alguem se oferece para trazer encomendas e o amigo (verdadeiro amigo!) responde: Quero apenas que voce se divirta bastante!

  2. vivendonoexterior Says:

    Maria Cristina, concordo que os amigos que recusam as ofertas dos viajantes pra trazer as tais encomendas são o máximo…eu tenho uma amiga assim no Brasil–quando viajo pra lá pergunto e ela nunca, em mais de dez anos, quis coisa alguma. Pena que nem todo mundo seja assim…

  3. Marina Says:

    O complicado é que essa ”cultura da encomenda” (Sim,porque já virou uma cultura) está cada vez mais forte aqui no Brasil.
    Esses dias conheci a namorada de um amigo numa reuniãozinha, e surgiu o assunto de que vou viajar no meio do ano…adivinhem? A menina me mandou um email perguntando quando vou,porque tem umas ”encomendinhas” pra fazer.Não quero nem imaginar o que ela vai pedir. As pessoas estão cada dia mais inconvenientes né?

  4. Vladimir Says:

    Encomenda, muita das vezes, é tem o significado de ajudar. Pois sabemos da realidade brasileira dos preços extorsivos aqui e, também, que muitos objetos, mesmo sendo classificados como fúteis são necessários em uma cultura consumista ocidental. Nada mais natural que querer ter um ipad e não poder ter no Brasil.

    Então, ajuda os brasileiros que “ficaram na fogueira” quem quer. Óbvio, não há obrigação nisso. É questão de pessoa para pessoa. Uns tem este perfil, outros não.

    Já viajei por 8 países no mundo em turismo. O que dá para trazer trago, o que não dá, paciência.

  5. Maisa Says:

    Estou passando por isso, vou viajar agora pra nyc, minha estrategia é não contar pra ngm que eu vou!
    Porém minha mae se empolga e conta pra todo mundo e fica todo mundo pedindo um monte de coisa, tenho ignorado, mas tá dificil!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: